A qualidade está nos detalhes

Artigos

Teste e qualidade de software: Commodity ou Oportunidade?

Recentemente, Steve Blank (http://steveblank.com/about/), um dos gurus do momento sobre gestão de negócios inovadores e startups, publicou um artigo denominado "You Negotiate Commodities, You Seize Opportunities" (http://steveblank.com/2010/09/16/you-negotiate-commodities-you-seize-opportunities/), algo como "Você negocia commodities, você busca oportunidades".

Ao ler o artigo, uma pergunta ficou me incomodando... Será que tratamos teste e qualidade de software como uma oportunidade, e buscamos as melhores opções para nossa empresa, pensando nos benefícios que uma qualidade adequada pode trazer, ou será que tratamos a qualidade de software como uma commodity, pensando nela apenas como um custo necessário o qual queremos minimizar?

Por que qualidade é uma Oportunidade?

Qualidade de software , quando executada com cuidado, com as ferramentas adequadas e por uma equipe capacitada traz Retorno de Investimento (ROI, do inglês Return of Investment), isto é, barateia o desenvolvimento de software. Este white-paper discorre um pouco mais sobre o assunto. Só esse fato, já seria suficiente para responder "Sim, qualidade é uma oportunidade".


Mas teste e qualidade de software não traz só ROI. Que outros benefícios podemos conseguir?

"Se tivermos dados, vamos com os dados, senão, vamos com a minha opinião"

Numa palestra do V Encontro do Unicamp Ventures, o atual Diretor de Inovação e criação de produtos do Google Brasil, o Sr. Victor Ribeiro, citou uma anedota para ilustrar a importância dos dados no processo de desenvolvimento de software. Ele contou de um conhecido que dizia a seguinte frase:

"Se tivermos dados, vamos com os dados, senão, vamos com a minha opinião".

Os processos de teste e qualidade de software são os responsáveis por identificar e disponibilizar as métricas e indicadores relevantes para o processo de desenvolvimento. Sem elas, temos apenas opiniões. Algumas comuns são:

"O sistema está uma droga".
"Esse sistema é fácil de usar".
"Acho que a equipe está produzindo bastante".

Com as métricas e indicadores, temos informação, que podemos utilizar para melhorar o software desenvolvido e o processo utilizado no desenvolvimento.

Ao invés de "O sistema está uma droga", teríamos "O sistema está com uma densidade de defeitos críticos superior à máxima aceitável".

Ao invés de "Esse sistema é fácil de usar", teríamos "O sistema atende aos critérios da norma XYZ de usabilidade".

Ao invés de "Acho que a equipe está produzindo bastante", teríamos os "A equipe aumentou sua produtividade (casos de uso/semana, ponto de função/hora, etc) em 20% em relação ao ano passado, sem perda de qualidade".

A diferença entre os dois cenários é gritante. Além de permitir medir o resultado de ações visando a melhoria do processo ou do software, os gerentes e diretores que possuem informação também possuem ferramentas para cobrar e recompensar, com eficiência e justiça, seus colaboradores.

No final do dia...

Diretores e gerentes de software que encaram teste e qualidade de software como uma oportunidade, e não como uma commodity, não só economizam dinheiro, como também ganham controle sobre sua equipe, seu processo de desenvolvimento e seu software, dormindo mais tranquilos no final do dia.

A Sofist ajuda empresas de desenvolvimento, auxiliando na implantação de processos e ferramentas para controle dos processos de desenvolvimento, seja na forma de consultoria, seja na forma de outsourcing (terceirização). Entre em contato e saiba mais!

Share Compartilhe esse artigo

Publicado em: 16/11/2010

Autor: Sofist - Intelligent Software Testing

O que fazemos?

Newsletters

Cadastre-se em nosso site para receber nossas novidades em seu e-mail.





©Copyright 2009-2017 - Todos os direitos reservados.